O Outlook é provavelmente o software mais famoso na gestão do correio eletrônico, utilizado há muitos anos por uma quantidade enorme de usuários. Porém, muitas coisas mudaram ao longo dos anos, tanto na internet quanto no modus operandi em relação aos arquivos e às mensagens enviadas online. Afinal os dispositivos móveis entraram em cena com carga total nos últimos anos.

Alimentado pela poderosa Microsoft, alguns consideram o Outlook hoje um software pouco necessário, mas outros pensam que ele pode chegar tão forte no mercado que até venha a substituir de vez o Hotmail, o veterano serviço de correio eletrônico também controlado pela Microsoft. Será mesmo que o Outlook vale a pena hoje em dia? Para responder esse e outros questionamentos acerca desse sistema separamos no post de hoje alguns aspectos relevantes da nova versão desse utilitário e se pode ser interessante fazer a migração do Hotmail tradicional para a versão Outlook. Acompanhe!

Veja as principais características do Outlook

O Outlook apresenta novo visual que lembra o do Gmail e do Windows 8. A caixa de entrada permite maior interatividade com redes sociais, como Facebook e Twitter, pois as publicações postadas nelas aparecerão junto com seus e-mails. É uma forma fácil de manter a conexão com seus contatos nas redes sociais, lendo e respondendo as mensagens. Há uma divisão entre e-mails “prioritários” e “outros”, destacando as mensagens mais importantes. Ainda existe a possibilidade de integração com contas de outros serviços de e-mails, como Gmail e Exchange.

O Outlook também cria uma pasta individual em que os arquivos anexados ou do OneDrive podem ser visualizados sem se misturar aos textos das mensagens (através do OneDrive, é possível armazenar arquivos maiores). Outros aplicativos que podem ser integrados ao serviço são o LinkedIn e o Dropbox. Ainda é possível recuperar mensagens deletadas e, de modo geral, a organização do conteúdo apresenta qualidade muito superior à do Hotmail.

Ele permite acesso através do Android e IOS

O Outlook pode ser acessado através de dispositivos móveis, como Android e IOS. O aplicativo é leve e prático, rodando com rapidez e menos possibilidades de travamento. Há certas limitações, como o formato de tela, que nem sempre permite a visualização completa dos textos e cria uma barra de rolagem horizontal.

Entenda algumas desvantagens do Outlook

A divisão entre os e-mails “prioritários” e “outros” não permite que se veja, ao mesmo tempo, as mensagens mais importantes separadamente e as outras mensagens da caixa de entrada. Mas, se o usuário quiser, pode desativar essa prioridade. A interface não oferece muitas possibilidades de personalização. E existe também muita publicidade na versão gratuita. Outra limitação do serviço é a impossibilidade de acesso IMAP (acesso de muitos clientes à mesma caixa de correio através da web).

O Outlook pode acabar com o Hotmail?

O Hotmail data de 1996, ou seja, é muito antigo. Ele já dava mostras de aplicativo ultrapassado diante das novidades dos aplicativos móveis e da tecnologia sempre mais avançada. Com o surgimento do Outlook, a tendência é a substituição definitiva do antigo serviço pelo novo. A concorrência do Gmail revelou que o aplicativo do Google se apresentava como forte adversário ao Hotmail, dispondo de maior espaço para armazenar mensagens e interface mais prática.

O resultado é que a Microsoft resolveu seguir a linha do Gmail e lançou o Outlook. Apesar de ainda serem mantidos os dois nomes (Outlook e Hotmail), a tendência é que apenas um deles permaneça para simplificar as coisas (principalmente para o usuário, que ainda se sente confuso com a nomenclatura ambígua) e, para efeitos de inovação, a Microsoft optará, provavelmente, pelo Outlook.

O que achou desse post? O que pensa do novo Microsoft Outlook? Acha que ele, de fato, vai substituir o Hotmail? Deixe seu comentário contando para nós e participe da conversa.

 

 

Author André Bernardo de Oliveira

Diretor Comercial | Professor de Negócios - Best Seller | Executivo Especialista em Gestão de TI

More posts by André Bernardo de Oliveira

Leave a Reply